» Iguana
Iguana no Cerrado

IGUANA

 
 
   Encontram-se na América Central e no Norte da América do Sul. Vivem em florestas tropicais húmidas, em mangais e em zonas relativamente áridas, mas com abundância de recursos, sempre na proximidade de água. Foram introduzidas, pelo Homem, na Florida.
 
   Podem atingir 1,5 a 2 metros de comprimento total (incluindo a cauda). A pele é predominantemente verde, com bandas transversais relativamente marcadas ao longo do corpo (principalmente nos “ombros” e na cauda), que vão escurecendo com a idade; os juvenis possuem marcações azuladas; os machos dominantes apresentam cor alaranjada nas patas dianteiras e cor mais clara no focinho.

   Os iguanas-verdes possuem dentes serrados e uma crista na linha médio-dorsal, que se estende desde o pescoço à extremidade da cauda, com escamas mais compridas na região do pescoço. Os machos são mais compridos, têm a cabeça maior e a crista espinhosa mais desenvolvida do que as fêmeas; além disso, apresentam uma protuberância posteriormente à fenda cloacal, onde se alojam os hemipénis.

   Os juvenis alimentam-se de insetos, lesmas e vermes, para além de matéria vegetal. Os adultos são principalmente vegetarianos.

   São répteis sociáveis e diurnos, que procuram alimento e apanham sol nas árvores em grupos. No entanto, os machos são territoriais, podendo provocar ou sofrer ferimentos consideráveis nas suas lutas por uma posição de dominância, um maior território ou o acesso às fêmeas. Os iguanas-verdes têm hábitos tanto terrestres como arbóreos, preferindo locais de vegetação densa na zona inferior da copa das árvores. Trepam com grande facilidade, com o auxílio dos seus dedos longos e cauda comprida (que pode medir três vezes o comprimento do corpo).

   São capazes de se defender usando a cauda, embora prefiram procurar segurança atirando-se para a água e nadando com grande agilidade; quando agarradas pela cauda, esta pode quebrar-se segundo pontos de fratura específicos, permitindo-lhes a fuga; em alguns casos, a cauda cresce novamente, em função do local de fratura e da idade do indivíduo.
 
   É uma espécie ovípara. As fêmeas reúnem-se nos territórios dos machos maiores e acasalam preferencialmente com estes. A época de acasalamento decorre no Outono (primeira metade da estação seca). As posturas ocorrem na segunda metade da estação seca. A fêmea deposita 12 a 40 ovos num buraco que escava em solo arenoso. O período de incubação dura 10 a 15 semanas, ocorrendo os nascimentos durante o final da estação seca ou no início da estação húmida. Atingem a maturidade sexual entre os 16 a 18 meses de idade, com um comprimento mínimo de 23 cm (excluindo a cauda).

   Estatuto de conservação e fatores de ameaça: A espécie não está globalmente ameaçada (segundo a União Internacional para a Conservação da Natureza). Pertence ao Apêndice II da CITES. Os adultos e os ovos são muito procurados para consumo humano ou para o comércio ilegal de animais de companhia, estando algumas populações bastante ameaçadas. É um animal de companhia muito popular existindo vários projetos de criação em cativeiro que têm em vista minimizar as pressões a que as populações selvagens têm sido submetidas por esta razão.
 
Texto retirado do Geocities
 
 
© Copyright 2019 savana.com.br - Todos os direitos reservados
Desenvolvido por www.e-assis.com.br